Da Grécia Antiga ao Deep Learning

Tempo de leitura: 1 min

Escrito por Tecno Dicas TI
em Março 18, 2022

Foto de Julia M Cameron do Pexels

Referências a seres artificiais com comandos mecânicos podem ser encontradas ao olhar para a mitologia greco-romana.

Na Grécia antiga, por volta de 300 aC, Aristóteles, ainda que de forma simples e despretensiosa, já cogitava a possibilidade de substituir o trabalho escravo por “aparelhos” que permitissem, por exemplo, limpar as próprias casas.

No entanto, os primeiros protótipos de IA não apareceram até depois do desenvolvimento da tecnologia e da ciência, especialmente no século XX.

Em 1936, o matemático Alan Turing criou um dispositivo, ainda que em estado rudimentar, capaz de realizar processos cognitivos nos quais os passos são divididos em pequenos passos individuais representados por algoritmos.

A partir da década de 40, as discussões sobre o tema se intensificaram e cientistas pensavam na criação de um cérebro artificial. Mas somente em 1956, que o termo Inteligência Artificial surge e começam oficialmente os estudos dessa tecnologia.

Entre 1950 e 1970, são feitos os primeiros trabalhos com Redes Neurais.

De 1980 a 2010, o Machine Learning se populariza no meio tecnológico.

Em 1958, surgiu uma das primeiras redes neurais, a rede perceptron proposta por Frank Rosenblatt. A rede consiste na estrutura usada nos neurônios M-P mais as regras de aprendizado. A adição dessa regra de aprendizado ajuda a rede perceptron a exibir aspectos importantes da inteligência (Braga, Ludemir e Carvalho, 2000).

E hoje, o Deep Learning impulsiona o boom da Inteligência Artificial.

Até que essa tecnologia chegasse ao patamar atual, grandes avanços precisaram acontecer.

Hoje percebe-se que o crescimento foi exponencial e as aplicações se tornam cada vez mais complexas, ao ponto de solucionar diversos problemas reais, otimizar processos e analisar dados de modo mais assertivo e profundo.

Outros artigos de interesse

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta


*


*


Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Seja o primeiro a comentar!

Junte-se à nossa lista de subscritores

Entre para a nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade